Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
DÓLAR MANTÉM ALTA E CHEGA A R$5,71 APÓS SAÍDA DE SECRETÁRIO DE GUEDES
22/10/2021 19:32 em Café com Plural

Foto: Pixabay

Em meio aos temores de piora do cenário fiscal, o dólar começou o dia em alta nesta sexta-feira (22). Isso depois do governo utilizar manobras para driblar o teto de gastos para bancar o Auxílio Brasil, aprovado pelo ministro Paulo Guedes. Por discordarem da medida, quatro secretários pediram demissão de seus cargos no Ministério da Economia.

 

 

Com uma alta de 10% no acumulado do ano, o dólar chegou a R$5,7180, subindo 0,77%, a moeda norte-americana passou a acumular avanço de 4,03% ao mês. Com isso, a bolsa de valores abriu em baixa recuando 1,24% para os 106.395,33 pontos.

 

O Banco Central terá que ser mais agressivo na política monetária, visto que os juros avançam. O Comitê de Política Monetária (Copom) irá se reunir, na semana que vem, para redefinir a taxa Selic, que está atualmente em 6,25% ao ano.

"Isso compromete a expansão do PIB em 2022. Para as classes de renda baixa, o efeito parece ser de dar com uma mão e tirar com a outra, considerando inflação ascendente e desemprego elevado", afirmou o economista-chefe do banco Modalmais, Álvaro Bandeira.

 

Uma mudança no teto de gastos para viabilizar o Auxílio Brasil, programa que irá substituir o Bolsa Família, foi aprovada pela comissão especial na Câmara criada para analisar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios. O texto ainda será analisado no plenário. Essa proposta repercutiu de maneira negativa, aumentando os temores de piora no quadro fiscal.

 

Logo após a revisão da proposta do teto de gastos, aconteceu o desmanche na equipe de Guedes. As demissões dos secretários se concretizaram quando o presidente Jair Bolsonaro anunciou um auxílio de 400 reais para os caminhoneiros autônomos para compensar a alta do diesel. Essa mudança e outras despesas como o Auxilio Brasil, emendas parlamentares e outras medidas do programa eleitoral do presidente e do Central chegam a R$83,6 bilhões.

 

 

 

Por:‌ ‌Nathália‌ ‌Paes,‌ ‌estudante‌ ‌do‌ ‌1º‌ ‌período‌ ‌de‌ ‌Jornalismo‌ ‌da‌ ‌Universidade‌ ‌Federal‌ ‌de‌ ‌Ouro‌ ‌Preto‌ ‌(UFOP)

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!