Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
A situação da educação em meio a pandemia
08/09/2020 21:12 em Café com Plural

Brasil está no grupo dos países com mais tempo de escolas fechadas desde o início da pandemia, aponta relatório divulgado nesta terça-feira pela OCDE. A pandemia do novo corona vírus tem sido como um "abalo sísmico" na educação global.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico avalia educação de 38 países-membros e de países parceiros, como é o caso do Brasil, em relatório anual Education At Glance.

Até o fim de junho, de 46 países avaliados no relatório, 52% deles haviam fechado suas escolas por 12 a 16 semanas e 28% as mantiveram fechadas por 16 a 19 semanas. O Brasil, onde a maioria das escolas permanecem fechadas, está bem no limiar — com 16 semanas contabilizadas até 30 de junho.

O tamanho das turmas é, segundo a OCDE, "um parâmetro crítico" para a reabertura das escolas, já que "países com turmas menores podem ter mais facilidade em cumprir com as novas exigências de distanciamento social".

Nesse ponto, o Brasil tem uma situação mais desafiadora que a maioria da OCDE: aqui, o tamanho médio das turmas dos anos iniciais e finais do ensino fundamental é maior se comparado a outros países da organização.

No entanto, destaca o relatório, "a necessidade de reduzir o tamanho das turmas pode depender de outros fatores, como espaço físico, disponibilidade de salas e de funcionários e decisões pessoais de estudantes e educadores sobre o retorno às aulas". Na maioria dos países a reabertura foi gradual e não obrigatória a todos os alunos.

Como e quando reabrir escolas, lembra o relatório, "é uma das decisões mais difíceis e sensíveis das agendas políticas" da atualidade, destacando que diferentes países foram forçados a tomar diferentes medidas com base nos estágios da pandemia e nas possibilidades de novas ondas de contágio.

 

Sara Lambert Estudante do 1° período de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!